TOP 100 | As melhores músicas do asian pop em 2019 [10-01]

2019 foi um ano e tanto. Momentos bons, outros ruins, todos trilhados por uma porção de músicas, que a cada período significaram algo a mais àqueles que as escutavam: Despertando a faísca antes apagada; fazendo com que se sentisse especial; revelando o quanto necessitamos de um certo alguém; nos banhando com um magnetismo quase lunar; reforçando nossa meticulosidade; como se a vida fosse um jantar; ou mesmo não dependendo de ninguém para se divertir; para ser extravagante; ser uma garota de elevador (?); e, huh, o que estamos esperando mesmo?

Enfim, ignorando os versinhos ridículos de spoiler acima (na minha cabeça, a ideia era melhor, risos), as 10 músicas abaixo foram as que mais fizeram minha cabeça no asian pop durante o ano. Sem mais delongas, que rufem os tambores…

10. TAEYEON – SPARK

Matutei por uns dias sobre qual escolher para o top, entre essa aqui e a da Chung ha, que apareceu na parte anterior. Acabou que a Taeyeon saiu vitoriosa na comparação. O motivo: os “sentimentos” que “Spark” me provocam são ainda mais profundos que “Gotta Go”. Sinto um misto de força e otimismo quando escuto essa aqui, como se fosse uma espécie de cantiga para seguir em frente, enfrentar problemas, sei lá como definir direito. E isso vem através da letra, do vocal arrepiante da tosca da Taeyeon e do instrumental-one-republic explorado corretamente para criar a sensação de grandeza necessária para esse tipo de número. Ouvir “Spark” me dá a impressão de que estou naquele ponto de virada em filmes, onde o protagonista, após presenciar seu mundo desabar, reúne forças para virar o jogo. Uma sensação bem estranha, que jamais esperaria de um release dela. Não é o melhor single da Taeyeon, mas foi uma das minhas músicas tema de 2019, por isso aparece aqui.

09. TWICE – FEEL SPECIAL

“Feel Special” é o número mais agridoce do Twice até então. Consigo entender que seu instrumental é montado para que o ouvinte se sinta super feliz, animado, pra cima, mas rola uma virada em algum momento dela, não sei especificar qual, que deixa toda a música estranhamente melancólica. É parecido com o que rola com All Night, do Girls’ Generation, mas lá isso era ocasionado pelo tom implícito de despedida, aqui eu não consigo identificar exatamente o porquê. Não sei se é só comigo que isso acontece, mas confesso que é inesperadamente BOM! Somem essa felicidade triste (ou tristeza feliz, tanto faz) com a letra lindíssima, onde elas assumem um eu lírico de alguém que consegue encontrar força pra viver naquele que ama e, como resultado, temos um dos grandes ápices da carreira do Twice. Tomara que essa imagem e sonoridade disco house cintilante se torna a assinatura delas daqui em diante.

08. CLC – I NEED U

MELHOR ALBUM TRACK

De acordo com o Spotify, esse aqui foi o K-Pop que mais escutei esse ano. Não que as métricas do serviço de streming verde signifiquem qualquer coisa de verdade pra mim, já que não o utilizo tanto assim, mas é minimamente curioso atestar o quão viciado fiquei em “I Need U” no lançamento do mini do CLC lá no início de 2019 e o quão forte ela continuou em meus ouvidos conforme o tempo passou. Esse é o ponto alto do grupo em questão de album tracks, com toda a produção se preocupando mais em juntar uma sequência de melodias grudentas, através de um instrumental que mistura o eletrônico com uma guitarrinha funky filha da puta super marcada, que qualquer outra coisa. É impossível não se deixar levar pela letra deliciosa, totalmente em inglês, cheia de ganchos que ficam na cabeça por horas, muito bem interpretada pelas integrantes, que usam bem seus timbres vocais distintos uns dos outros para envolver o ouvinte numa teia pegajosa de replay factor. Devia ter sido title.

07. TIFFANY – MAGNETIC MOON

Que bom que a Tiffany resolveu voltar a mirar as referências corretas em sua carreira solo. Se lá atrás, em “I Just Wanna Dance”, podíamos compará-la com Carly Rae Jenpsen naquilo de emular sonoridades oitentistas numa roupagem mais contemporânea, quem primeiro me vem à cabeça quando escuto “Magnetic Moon” é a Kylie Minogue. E emular Kylie Minogue é item básico para qualquer cantora pop que queira apostar num repertório mais eletrônico e dançante. Lady Gaga se deu bem com isso nos EUA, Cheryl idem no UK e a Tiffany pode ter futuro dentro do nicho de acts de K-Pop que querem se internacionalizar se continuar investindo nisso. Ela provavelmente vai fracassar feio e voltar pra Coreia do Sul numa empresa fundo de quintal, eu sei, mas se isso acontecer, ao menos teremos tido em “Magnetic Moon” o ápice de sua ~carreira internacional~, com a Stefany vivendo seu sonho de diva pop e entregando carão, coreografia, figurinos luxuosos variados e todos os demais signos necessários dentro desse tipo de release.

06. WEKI MEKI – PICKY PICKY

Vários de vocês vão cair da cadeira com essa aí aparecendo alto assim, mas jovens, aprendam: o tio Lunei aqui adora uma palhaçada bem executada. Não é a toa que bagulhos como Kyary Pamyu Pamyu, Natsume Mito e variantes japonesas fazem minha cabeça há tantos anos. E o J-Pop foi bem falho esse ano em me proporcionar exemplares de bubblegum bops que me satisfizessem em 2019, então calhou às nugus do Weki Meki a missão de despertar em mim o retardo mental que só esse tipos de números malucos, que não sabemos se estão se levando a sério ou não, são capazes de despertar. “Picky Picky” foi o troço mais absurdo e um dos mais divertidos que escutei ao longo do ano. Então, parem de preconceito e venham ser picky picky pickeeeee comigo, pois nunquinha que o Weki Meki vai conseguir superar isso em seus prováveis dois anos restantes de vida.

05. MIYAVI, DAOKO – SENKYAKU BANRAI

Essa aqui também é tão boa. Adoro que essa parceria entre o Miyavi e a Daoko conseguiu ser um híbrido entre as propostas de ambos os envolvidos, o que é bem raro em parcerias do velhote descamisado. Ele tem três álbuns inteiros de “duetos” com uma porção de vocalistas (até o Samuel L. Jackson já entrou nessa), mas fica nítido que o que impera é seu dedo, com os cantores colocando suas vozes nas músicas dele, onde o que deve brilhar é a sua guitarra e o resto propositalmente eclipsado por isso. “Senkyaku Banrai” tem muito dele e muito dela, caindo como uma luva em ambos os repertórios. Mesmo o clipe, temático do filme lá que serviu de trilha sonora, com eles num jantar creepy cheio de neon, é associável aos dois. Acho que ouvi todos os dias, pirando em diferentes momentos conforme meu estado de espírito (mas o solo com a guitarra distorcida na bridge ainda é o ponto imbatível entre todos os eles, btw).

04. APINK – EUNG EUNG (%%)

Eu fico bobo com o poder de algumas músicas em sobreviver tanto tempo entre os maiores destaques de seus espaços. Daqui dois dias, “Eung Eung” faz um ano de idade e não houve momento algum em todo 2019 que eu não achasse que esse aqui seria top 3 entre os capopes nele. Ela simplesmente não cansa, não perde o fôlego, acabou se tornando atemporal. A virada de chave do Apink foi muito boa para seu repertório. Adoro essa fusão de elementos de antigamente com outros atuais, com tudo indo prum caminho onde o synthpop dos anos 80 encontra com o trap do urban atual e os gêneros fazem um filho lindão para destruir nas pistas de dança. E essa pegada mais adulta, fatal, sensual é de matar, convenhamos. Apink é o melhor plot twist do K-Pop atual.

03. TWICE – FANCY

Têm uns comebacks que são meio estranhos, não? Eu ouço “Fancy” e a impressão que tenho é que essa música estava engavetada há uns 4 anos. Quer dizer, o Twice debutou como um grupo mais ou menos girlcrush, sapeca, como uma versão 2015 do miss A, mas contemporânea, como se fossem gatinhas numa série de TV bombada em questão de conceito. Mas isso foi jogado no ralo logo no primeiro retorno, com as nove seguindo por um caminho aegyo infantilizado quase estéril que durou anos. Então, com elas mais girly e chicletonas assim, é como se, enfim, o comeback real do Twice tivesse acontecido, nisso de evoluírem na imagem, sonoridade e tudo mais, em vez de regredirem. “Regredirem”. Aah, vocês entenderam, né? Mas não foi por isso que “Fancy” quase se tornou minha SOTY. Sua presença nesse pódio se dá por toda ela ser uma maravilha implacável, que não sai da cabeça, contagiante, que parece converter todo meu corpo num arco-íris de blissgleeeuphoria e outros termos não corretamente traduzíveis para o português. J. Y. Park não fez mais que sua obrigação, aquele velho ridículo. Não sei se o Twice vai ficar melhor que isso não.

02. BABYMETAL – ELEVATOR GIRL

MELHOR J-POP

Tenho a impressão de que a presença do BABYMETAL nesse ranking, inclusive aqui em SEGUNDO LUGAR, deve enrugar as testas de alguns de vocês num ponto de interrogação, mas a real é que curtir o som kawaii metal dessas pirralhas é mesmo muito específico. Provavelmente meu favoritismo por números nesse estilo é herança de um tanto de coisas que ouvi quando mais novo. Sempre curti bandas de j-metal, sobretudo as que inseriam uma dose extra de apelo pop em suas melodias quando eram selecionadas para trilharem animes hypados das temporadas. Então, ver o BABYMETAL recobrando, dentro de sua abordagem, essa linha sonora que eu tanto curtia na adolescência, é quase como uma kriptonita sonora na minha cabeça. É impossível eu não me sentir abobado quando os primeiros acordes de “Elevator Girl” começam, me fazendo mergulhar numa piscina glam de bate cabelo, de onde só quero imergir cada vez mais fundo a cada repetição. O refrão, em especial, é uma porrada no estômago. Num ano onde o J-Pop foi tão pouco representativo em minhas playlists, não deu pra ninguém: BABYMETAL rapou o prêmio de melhor lançamento nipônico. Só não ficou em primeiro porque, bom, um outro pancadão-bate-cabelo conseguiu me encantar ainda mais. E a SOTY de 2019 foi…

01. ANDA, R.TEE – WHAT YOU WAITIN FOR

MELHOR K-POP

Vejo “What You Waiting For” como um daqueles bons exemplos onde todos os fatores envolvidos contribuem para que o lançamento seja excelente. Musicalmente, temos um dance pop ~futurista~ de fácil assimilação, com versos grudentos, um refrão instrumental pesado e cativante e toda uma aura 2000s que meio que fez do K-Pop o que era o K-Pop no início dessa década. Isso somado à letra quase explícita sobre ela já não aguentar mais esperar a timidez do cara e querer que ele lhe dê logo uns pegas (em dado momento, ela literalmente diz que ele precisar “colocar” nela), atinge um nível de sapequice sonora que há muito não víamos. E as coisas ainda ganham uma nova camada através do MV bem preparado, com Anda “se conectando” às capacidades da YG, sendo “colocada em uma caixa” e transformada de cantora alternativa (com as roupas brancas) numa idol “de verdade” (quando ela se olha no espelho e ganha aquele vestido cintilante). Daí pra frente, é só deleite visual, com uma coreografia cheia de point moments repetíveis e todas as coisas esperáveis de um bom capope farofa golden age. Uma pena que nem bater ponto numa big3 foi o suficiente para conquistar o coreano médio, mas à essa altura do campeonato, vocês já devem saber que qualidade e sucesso nem sempre andam de mãos dadas, né? Song of the year, sem mais.


Resultado de imagem para yeojin gif"
Quem discordar de mim vai ter que se resolver com a Pirralha do Sapo…

Alguma surpresa nesse top 10? Algo que não deveria estar aí? Algo que faltou? Quais foram as 10 maiores desse ano para vocês?

E dde 2019 foi isso aí, caras. Tenham todos um feliz ano novo, aproveitem bastante a vida e todos aqueles votos que as pessoas costumam fazer nesse época. O Miojo Pop continua em 2020.

13 comentários em “TOP 100 | As melhores músicas do asian pop em 2019 [10-01]

  1. Eu achei que as nossas músicas favoritas do ano seriam quase as mesmas, visto que concordei com (quase) todo o resto do top, mas só não simpatizei muito com o top10 kekekekk… digo, gosto da grande maioria, mas não cheguei a me viciar em nenhuma (tirando %%).

    No geral, acho que minhas favoritas do ano foram essas:

    10. The Rose – Red
    9. Chungha – Gotta Go
    8. Bom – Shameful
    7. Jiyeon – Black & White
    6. Taeyeon – Voice
    5. SF9 – Round and Round
    4. BTS – Mikrokosmos (sim!)
    3. DAY6 – Kiminara
    2. Apink – Eung Eung
    1. Shaun – Bad Habits

    Nunca achei que fosse gostar tanto de uma música do BTS desde os meus tempos de army. E o comeback da Jiyeon ta bem legalzinho esse ano, dá uma conferida.

    Curtir

  2. Anda, rainha. O resto discordo de sparks, mas de todo jeito não é meu gosto e sim o seu, só me resta aceitar. Vc deixou breakthrough no churrasco mesmo, pasma

    Curtir

  3. Twice dando a caruda no TOP *pretends to be shocked* Esse ano foi o melhor da carreira delas, tanta música boa que eu até cheguei a duvidar se era o Twice mesmo rs Essa performance de Fancy (Pamela Dark Punch ver.) que elas fizeram esses dias aí ficou bem legal. Estão evoluindo e espero que continuem assim.

    Espero que 2020 seja ainda melhor e traga um comeback pras PretoRosa (isso é com o YG né, mas vamos jogar nas costas do ano)

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s