MINI-ALBUM REVIEW | Loona – [12:00] (2020)

O Loona deve ser um dos projetos mais interessantes do K-Pop na última década. Os produtores da BBC conseguiram reunir aqui todo aquele clichê que vinha sendo buscado pela fanbase em relação a “conceito” por trás dos releases, não limitando a criatividade em momentos desconexos de videoclipes (coisa que rolava, por exemplo, com o BTS e que até o KARD tentou replicar depois), mas construindo uma narrativa realmente engajante por trás das músicas, vídeos, na ordem em que as integrantes e subunits eram reveladas durante a campanha de pré-debut e por aí vai. A história contada dava margem para diferentes interpretações, despertando o interesse de uma galera online ao redor do mundo.

Mas, convenhamos, de nada adianta o conceitinho se o que vem junto não for realmente legal de ouvir. Já disse antes: o principal do K-Pop é a música. Ponto. Se a música for ruim, não tem pretensão de fanfic que salve o act. E esse aí foi o ponto mais forte do Loona durante um bom tempo. Dos singles usados nos solos ás album tracks de minis de units, elas sempre acertavam e entregavam um material acima da média aos ouvidos. E foi assim também nos dois primeiros EPs delas como um grupo completo, [+ +] e [x x], ambos recheados com delicinhas que, ou fugiam do óbvio feito por girlgroups às épocas (exemplo aqui), ou faziam esse óbvios, mas de maneira bem competente (exemplo aqui).

Só que nada é perfeito quando as coisas são geridas por empresas fundo de quintal. Após as promoções do “Butterfly”, uma porção de eventos esquisitos estacaram o que poderia ser um momento de crescimento, em qualidade e alcance, do grupo. A BBC, num movimento super amador, não cumpriu um contrato com um dos patrocinadores do grupo, angariando uma dívida considerável; o diretor criativo do grupo e idealizador do “loonaverso”, Jaden Jeong, saiu da gravadora; um mini-álbum de ballads que já tinha sido anunciado acabou engavetado e o Loona, então, passou quase um ano na geladeira. E quando voltou, agora com o aleatório auxílio do Lee Soo Man, ex-CEO da SM Entertainment, parece ter esquecido que o que o faz especial é a soma entre boa música e a narrativa toda, entregando em So What um MV lindíssimo para acompanhar um single terrível de tão barulhento, e no [#] um mini-álbum que simplesmente não dá vontade de ouvir, tão inespecífica que é a sua tracklist.

Oito longos meses se passaram e cá estão elas de volta com o [12:00], ainda sob a assustadora tutela do fundador da SM, ainda sem a aquela sensibilidade para a produção de músicas que fazia delas algo diferenciado dentro da cena. Contudo, mesmo apostando num punhado de trecos que uns seis ou sete grupos diferentes entregariam igual, o disco, ao menos, diverte em seus pontos altos.

Why Not? é uma title bem divertida de ouvir. É ITZY do início ao fim, com o mesmo estilo instrumental mesclando riffs graves com alguns elementos mais chicletes e abobalhados que as ex-pirralhas mais pirralhas da JYP vêm fazendo do debut até aqui. Gosto muito do refrão ridículo, sendo o momento menos levável a sério do Loona desde YeoJin ridícula querendo perder o BV com um sapo gigante anos atrás.

Essa mesma fórmula “house/urban” é repetida ainda outras duas vezes, focando mais no lado “house” em Hide and Seek, e mais no lado “urban” em Oops!. Ambas são bem legais, com replay factor alto e também transbordam essa energia menos hipster já citada. Ouvindo essa trinca, tenho a impressão de que, propositalmente, a ideia era, de fato, tirar o Loona um pouco dessa zona mais dissonante ao atual que, possivelmente, deveria estar limitando demais o alcance do grupo numa base de fãs muito específica e pouco lucrativa à longo prazo.

Como isso é feito com músicas realmente bacanas de ouvir, ainda que elas tenham se descaracterizado num geral, a audição ainda rola muito bem. O problema é quando isso é feito com outras faixas que, sem muito rodeio, são só chatas. A baladinha R&B Fall Again remonta a uma passado onde todo comeback feminino vinha com umas duas ou três dessas pra fazer volume nos álbuns. É bonitinha, simpática, mas açucarada demais para ouvir mais que uma vez. O mesmo para Universe, que até traz uma construção instrumental com mais punch, mas que não é suficiente para salvá-la de parecer uma demo sonífera rejeitada pela Ellie Goulding. Muito filler pro meu gosto.

Por fim, Voice/Star me parece… deslocada nesse mini. Não entendam errado. Deslocada, não ruim. É a minha predileta nele, sendo a mais, ahn, “Loona” aqui, praticamente uma resposta do grupo inteiro à também excelente Loonatic, do Odd Eye Circle, com o mesmo instrumental Grimes abafado e esquisito, a mesma levada electrorock encantadora, a mesma interpretação vocal sombria por parte das integrantes, até com a mesma sina de a versão em coreano ser infinitamente mais legal que a em inglês. Porém, ela não casa em nada com o resto apresentado, dando uma impressão de que quiseram “ousar com coisas não ousadas” para atrair as massas, mas ainda “colocar algo ousado” para manter aqueles que já acompanhavam as 12 11 dentro do jogo.

O [12:00], num geral, é um mini-álbum extremamente safe no que é o K-Pop de hoje em dia. A maioria das faixas nele poderiam ser entregues por quaisquer outros grupos femininos sem quaisquer alterações. Enquanto isso é ruim para o Loona, que perde seus diferenciais dentro do cenário e se torna extremamente genérico num nicho onde mais que uma dezena de acts possui mais relevância e dinheiro para acontecer que elas, aos ouvintes gerais, não chega a ser uma grande falha, visto boa parte das músicas apresentadas, diferente do EP anterior, divertirem sem maiores pretensões. Pra esse momento, não sei se esperaria algo melhor.

Nota 5,8

Mais reviews de álbuns do Loona: [++] (2018) e Max & Match (2017)

13 comentários em “MINI-ALBUM REVIEW | Loona – [12:00] (2020)

  1. Loona é a personificação do sentimento de quando você quer largar tudo para poder viver apenas dos seus hobbies, mas aí acorda e percebe que as contas tão vindo no final no mês e tem que continuar trabalhando.

    Parte de mim queria muito que fizessem um repackage desse álbum com star/voice como título, mas acho mais fácil venderem um so what melhorzinho de novo visto que esse álbum tá sendo o melhor até agora em vendas.

    Triste, principalmente pelo fato de que amei de ler as teorias que fizeram utilizando só o dance de voice kkk, me perguntando se tivesse mv e etc

    Curtido por 2 pessoas

  2. Concordo com tudo com vc, primeiro mini do loona foi ótimo, o projeto em si no começo foi maravilhoso, mas a BBC deu bola fora. Estou espantada que Voice não foi a title escolhida mas não se pode ter tudo. Mas discordo de que o /#/ (não tem colchetes no teclado do meu celular) foi um álbum horrível, abaixo está a música que salvou o álbum

    Curtir

  3. Mas aí é que tá. Elas apostando no óbvio conseguiram uma venda elevada dos álbuns. Então era só questão de tempo que elas abandonasse aquela imagem que tinham no comecinho_ sem falar no investimento que tiveram eles teriam que arrumar dinheiro.
    Agora passado o ressentimento que também senti, entendo completamente e só torço que elas não cantem trecos tão ruins.
    So What achei divertido e uma das melhores farofinhas desse ano tenebroso. Agora com essa nova, só tive um pequeno desgosto: a musica é desconectada demais em alguns momentos, as linhas não foram tão bem distribuídas, e só veio ficar boazinha e escutavel perto do final.
    O álbum ainda estou num misto de sentimentos.
    Só sei que amei Voice e a coreografia e apresentação.
    PS. Vi o ao vivo da Why Not? E apesar da coreografia ser boa, achei tão meh e sem emoção…sei lá.

    Curtir

    1. “Mas aí é que tá. Elas apostando no óbvio conseguiram uma venda elevada dos álbuns. Então era só questão de tempo que elas abandonasse aquela imagem que tinham no comecinho”

      Bem isso. E parece que deu certo, porque o [12:00] já superou as vendas totais dos outros EPs delas, e conseguiu a façanha (que só será confirmada na quarta, mas já foi noticiada num perfil oficial da Billboard no Twitter) de entrar em #112 na parada de álbuns da BILLBOARD (a título de comparação, o TWICE só conseguiu entrar nesse chart uma vez, em #200, o Red Velvet nunca conseguiu, e os únicos girlgroups coreanos que chegaram a entrar eram todos das Big 3).

      Uma pena que pra conseguir esses feitos elas tenham precisado abrir mão do que tornava o LOONA único, mas enfim… quem sabe depois que elas conquistarem a Coreia (o que ainda deve demorar, mas o feito na Billboard deve ajudar a atrair a atenção dos coreanos), elas possam voltar a explorar sonoridades mais originais.

      Curtir

      1. Sim! Também espero em ver aquele clima do começo. Acho as meninas tão cativantes e não sei, acho que seguir a mesma onda que os outros limita muito um grupo. Torço pra caírem nos gostos dos coreanos.

        Curtir

  4. Eu fiquei um pouco decepcionada com esse álbum, primeiro as fotos são uma bagunça eu descartava a maioria e ficava com elas bonitonas de vestido de festa e all star, o mv é bonito e bem loona mas a Gowon que era quem eu tava mais ansiosa pra ver por causa do cabelo aparece nem 5 segundos ( oq foi um erro muito idiota, a bonitinha tirou o loiro q ela tava usando a 30 anos pra se arriscar e chamar a atenção e a bbc cortou ela de todas as cenas) gostei da título pelo menos é melhor q so what, o resto do álbum achei tão sonífero, única q realmente gostei foi voice/star pq tenho uma quedinha por músicas de kpop ver inglês, uma verdadeira pena essa álbum espero q consiga um win de última hora como foi em so what

    Curtido por 1 pessoa

  5. Vim de meio ano do futuro só pra dizer que, pelo menos pra mim, o [12:00] acabou sendo o álbum do LOONA que envelheceu melhor. Why Not, apesar de não ser o que poderia ter sido entregue, é bem divertida, e TODAS as B-sides são ótimas!

    Arrisco dizer que estou gostando mais de ouvir esse EP hoje do que gostei quando ele foi lançado.

    Curtir

    1. Tomara!!

      Por sinal, parece que elas já fizeram fotos pro encarte do novo EP/álbum, com HeeJin sendo a nova loiraça belzebu do grupo, Yves voltando a ter cabelo comprido (possivelmente aplique, já que acho difícil o cabelo dela ter crescido tanto de uma hora pra outra) e YeoJin com cabelo preto E AINDA MAIS CURTO (o que eu acho ótimo, porque o cabelo curto deixa ela parecendo mais madura).

      A única cujo novo visual não vazou ainda é a HaSeul, o que deixa um pouco de medo de que ela fique mais uma vez fora do comeback… tomara que nossa querida mulher-passarinho nos agracie com seu retorno triunfal! (desde que ela já esteja recuperada, claro; se não estiver, melhor continuar se cuidando por mais um tempo)

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s