TOP 100 | As melhores músicas do asian pop em 2020 [85-71]

Dando continuidade nesse ranking, vamos para mais um corte contendo vários grandes bops esplendorosos do ano de 2020. Muitas músicas maravilhosas que, em algum momento dos últimos meses, fizeram muito a minha cabeça, foram enormes vícios e por aí vai. Qual outro jam unânime será cortado assim cedo dessa vez?

Pensem pelo lado positivo: será bem difícil alguma fave de vocês morrer aqui, já que nem aparecer aparecerá… :V

85. CLC – HELICOPTER

“Helicopter” é ainda outra boa música dentro dos maneirismos dessas faixas urban que ficariam um saco caso feitas por boygroups, mas ganham um brilho especial quando executadas por vocais femininos, com carões, apliques batendo ao vento e uma ~mensagem~ por trás. E se tratando do CLC, tudo fica ainda melhor. Embora sumariamente ignoradas pelo público geral, a Cube conseguiu reunir um time de garotas que com o talento para “vender” essa ideia/produto como poucas. Quer dizer, a letra é ridícula (“eu vou alto, helicóptero, aí faço um barulhão, mas nunca desisto, pois sou um piloto”?), mas com as sete cantando de maneira sofisticadamente agressiva, dá para comprar essa metáfora maluca como o novo hino feminista desse século.

84. YOOA – BON VOYAGE

Curioso o movimento da empresa do Oh My Girl ao, agora que o grupo finalmente estourou nacionalmente, com dois dos grandes sucessos fonográficos da Coreia do Sul em 2020, resolver debutar solo uma das integrantes. E nem foi nenhuma com o vocal mais identificável no line up, sim a YooA. E que bom que isso rolou, pois rendeu pra minhas playlists a melhor música Oh My Girl related desse ano. Tenho com “Bon Voyage” a mesma impressão que rola quando escuto as faixas principais de filmes da Disney, gravadas por artistas grandes, que são mandadas para as rádios: percebo vários elementos mais “únicos” e característicos de trilhas sonoras, mas com um verniz pop que me faz querer repetir mesmo quando não tenho o acompanhamento visual do filme. Na primeira vez que a sequência de versos termina, o drone do MV joga a imagem pro oceano e o coral entra, é de cair o queixo.

83. A.C.E – FAVORITE BOYS

Não entendi o choque de vocês comigo dizendo, à época do lançamento disso aqui, que o A.C.E faz que o Stray Kids tenta fazer, mas com menos verba, alcance, e mais replay factor. Não era óbvio? :V Para esse comeback, eles seguiram apostando numa mistura de rock esquisito com urban que pode parecer pretensiosa no papel, mas que eles servem duma maneira bem divertida de ouvir. “Favorite Boys” é bem gostosinha, colando legal dentro dessa proposta, acertando em tudinho que se propõe. A mistura das guitarras com os sintetizadores é interessante, construindo versos bem fortes, com um refrão bate-pescoço explosivo que é a cereja do bolo. Aproveitando o parágrafo, é engraçado notar que o K-Pop, diferente do J-Pop, não “abraça” suas raízes folclóricas em questão de visual e sonoridade num geral. Tanto que, quando eles usaram esses figurinos tradicionais de lá no MV, acabaram chamando mais atenção por esse fato que pela música em si.

82. SHEENA RINGO – UTA

Esse foi um ano até que bem movimentado para a rainha nacionalista Sheena Ringo no que diz respeito ao retorno do Tokyo Incidents (falo mais deles em próximas partes). Contudo, em sua carreira solo, a única coisa que rolou de verdade foi esse cover rearranjando Uta para uma coletânea homenageando o BUCK-TICK. A versão da Sheena praticamente transformou “Uta” em outra música, deixando o rock de tiozão de lado para recontá-la num pop jazzy que adiciona signos sonoros que deixassem o resultado mais parecido com alguma canção tradicional nipônica. É bastante Sheena Ringo, o que significa que não funciona com quem não tem uma predisposição a gostar dessas esquisitices. Se forem dar play, dosem corretamente a expectativa.

81. LISA – HOMURA

Eu meio que cago para “Demon Slayer”, mas sei que o enorme sucesso em bilheteria do filme do anime lá no Japão (tsc tsc, esses japoneses furando o isolamento social para ir ao cinema) influenciou bastante para que a LiSA hitasse essa trilha sonora aqui e os demais trabalhos dela ao longo do ano. Então, yassss, werk girl! Tem que tirar dinheiro do otaku mesmo, minha filha! Ahein. Sobre “Homura”, se ainda não tiverem ouvido, já adianto que é bem o tipo de coisa que funciona em OST de anime mesmo: um baladão ultraemotivo, com um tipo de arranjo que vai crescendo, crescendo, até que entrega um grand finale estrondoso. Ayu deve estar orgulhosa.

80. BOA – BETTER

Em 2020, a BoA comemorou seus 20 anos de debut dentro do K-Pop colocando um povo para estragar alguns de seus maiores sucessos e soltando seu décimo álbum de estúdio por lá. E temos a comprovação de que ela é uma grande artista quando a title escolhida, “Better”, entrega exatamente o que esperamos de um “lançamento da BoA” em vez de alguma baladinha morosa destacada de sua persona. “Better” é BoA honrando as referências que ela sempre seguiu. Dá para enxergar Michael, Janet, Paula e todos os demais enormes nomes que fundaram esse pop mais grave e envolvente, feito para dançar junto. Pra mim, essa é a maneira mais “BoA” de se festejar uma carreira invejável dentro dessa indústria tão chata e descartável em relação ao tempo de atuação dos seus idols.

79. CHANMINA – ANGEL

A Chanmina tem sido bem consistente em sua proposta melancólica do ano passado para cá. Embora suas canções sejam, sim, bem variadas entre si, elas se mantêm quase sempre numa zona mais “entristecida” em seja lá qual for o trend instrumental que ela esteja explorando na vez. É bom quando um artista usa um estado de espírito como fio condutor para seus lançamentos, pois isso permite que ele caminhe por espaços diferentes enquanto se guia por esse fio condutor. No caso de “Angel”, ela vai para o pop latino uptempo mais dramalhão, o que acaba casando surpreendentemente bem na ideia. Não é o maior poço de criatividade, mas também não precisa de verdade ser.

78. RAVI, PALOALTO – ROCKSTAR

Eu rio bastante que, numa faixa chamada “Rockstar”, onde ele diz que é o pica das galáxias, o sinistrão, badass da porra toda, que não leva desaforo pra casa e trecos do tipo, o Ravi não fez questão nenhuma de inserir qualquer elemento de rock no instrumental. Acho que isso só evidencia que se roqueirinho hoje em dia é um grande atestado de “não coolness” para essa geração. Por mim, problema algum com tal constatação! Voltando ao Ravi, acho jeito dele cantando e rimando sempre operante. O timbre dele consegue se destacar, ser identificável aos ouvidos, sem que ele force a barra, o que, quase sempre, aumenta a qualidade das demos que ele se envolve. Acho “Rockstar” é a que mais gosto dele em todos os tempos, num Hip Hop mais dançante e bem menos “tenso” que o comum atualmente. Prometo que esse ano eu volto a malhar e fico com o tanquinho assim, fãs.

77. COSMIC GIRLS – BUTTERFLY

Eu adoro essa aqui. “Butterfly” me soa como o grande retorno das garotas cósmicas à corrida que elas perderam as rédeas muito tempo atrás. Ela usa toda a aura “elfas da floresta” atmosférica ligeiramente grandiosa dentro de um arranjo que é recheado de ganchos pop chicletes, que se emendam uns nos outros, grudando na cabeça e, por consequência, envolvendo o ouvinte nesse universo colorido que elas querem construir. O refrão é uma fofice açucarada, a linha de rap da Exy é bem animada, os versos todos são como jujubas caindo do céu. Um belo popzão estilizado para soar mais gracioso, como numa OST de desenho animado, mas ainda assim um popzão que martela gostoso na cabeça. Que bom que os astros se reuniram mais uma vez e trouxe elas de volta ao alto nível naquilo que elas mais se propunham.

76. KATIE – ECHO

A Katie-ex-futura-Pink-Punk é uma das poucas “ex-idols-atuais-artistas-que-se-levam-a-sério” que realmente valem o esforço de prestar atenção. Nessa altura do campeonato, ela mesma já deve ter percebido que a migração da YG para outra gravadora e que isso de focar a atenção no público ocidental foi um tiro no pé, mas as pouquíssimas músicas hipsters dela compensam a paciência necessária para acompanhá-la. “Echo” é uma daquelas faixas “grower”, que vão tocando em minhas playlists diárias sem muita pretensão, e repetindo, repetindo, até que eu me veja totalmente tomado por ela em algum momento que nem prestei atenção qual. Há algo de cativante nesse pacote todo que torna “Echo” irresistível à longo prazo. A Katie mistura um vocal sussurrado nos versos, enquanto uma certa agressividade debochada aparece no refrão. É tudo muito gostosinho de ouvir e cantar junto, entregando de bandeja tudo o que um bom release “de cafeterias” tem de melhor. E com o MV drogado ao extremo, a experiência fica ainda melhor.

75. FEMM – DEAD OF THE NIGHT

Lembro que, daquele EP estúpido de demos que o FEMM soltou tempos atrás para servir de pano sonoro de fundo para uma instalação artística delas, esse havia sido o instrumental mais interessante em todos. E que bom que, com a adição dos vocais e a finalização, o resultado em “Dead of the Night” ficou tão bom. As duas conseguiram construir aqui uma atmosfera viajada bem imersiva, como se fossem robôs vindas do espaço tentando escravizar a raça humana, mas através de alguma rave endoidante e imparável. “Dead of the Night” é um puta som eletrônico e demonstra um FEMM que consegue operar em diferentes fronts musicais. Como disse em outras ocasiões, grande ano para a dupla.

74. KANA-BOON – STARMAKER

Mais outra animesong ótima para a lista. E dessa vez utilizada em um anime tão bom quanto, “Boku No Hero Academia”. É aquilo: música para soundtrack respirando a jovialidade shounen que esse tipo de número exige. Dentro dos checkpoints que essas músicas necessitam preencher, “Star Maker” cumpre todos. Já nos primeiros segundos, com a bateria socando e a guitarrinha-pop-rock-ska rasgando tudo já somos dragados pro que o Kana-Boon apresenta, numa mistura de ingenuidade dada pelo timbre do vocalista com o excesso de energia amplificada por todo o resto da banda.

73. LEE SUHYUN – ALIEN

Acho que já disse isso em alguma outra oportunidade, mas sempre que escuto “Alien” tenho a impressão de que esse debut solo da Suhyun veio tarde demais na timeline de acts da YG. Se não me engano, desde a época que o irmão dela lá do AKMU disse que ia se alistar, já haviam conversas dele ter deixado material pra ela divulgar nesse intervalo. Bobagens à parte, “Alien” é uma dessas músicas cheias de grandes momentos, com vários e vários ganchos que ficam na cabeça durante muito tempo. O refrão é chiclete puro, os “uuuuh, uh uuuh” que abrem caminho pra ele são uma graça, o instrumental disco “espacial” me lembra coisas do Lulu Santos, a bridge antes do final leva o ouvinte pruma pista de dança imaginária. E tem também o MV bonitinho misturando cenas dela com animação 2D saturada na bala, cereja do bolo. Tomara que role comeback em algum momento pra ela.

72. BLACKSWAN – TONIGHT

O Blackswan como um projeto me causa mixed feelings. A ideia dele ser o Rania com um novo nome é, ao mesmo tempo, estúpida e hilária no papel. Aí chegou a execução, com um álbum literalmente intitulado “Goodbye Rania”, com a única mina da última formação do grupo restante no lineup rapando fora do barco semanas depois, e genuinamente não sei se compro isso com bom humor ou pena. Enfim, o melhor a se tirar de todo esse descarrilamento de trem foi, ahein, a title “Tonight”, cuja mistura do rockzão marcial com as interpretações vocais e interações mais sensuais das meninas em câmera deixaram a estreia com uma cara de single da Koda Kumi lá por 2012 ou algo assim. E a Koda Kumi rockish dessa época aí ainda funciona muito comigo, então ponto para o Blackswan em sua provável swan song. Btw, que line up lindo. E pensar que o Wendell Gostomeu não incluiu nenhuminha na lista de idols mais gostosas de 2020 lá no blog dele, mas deu espaço pruma sei lá quem do GFriend. Porra, Wendell…

71. WEKI MEKI – COOL

Weki Meki ❤ Eu vivo pelo fato delas terem deixado o “lado red” catito do grupo um pouco de lado dessa vez e apostado num pancadão-bate-cabelo que me serve para todas as horas do dia. A faixa é excelente, grudenta, impactante, atrevida e desperta vontades automáticas nos quadris para ir rebolando de ladinho bem devagar. Adoro o começo “spoken” nela, dando a impressão de isso será um número datadíssimo de drag queen divertidamente vergonha alheia. E adoro que isso já é jogado pra escanteio logo em seguida, com elas cantando os versos seguintes de maneira bem debochada, mas bastante, ahn, suingada! O refrão com os “COOOOL” servindo de gancho pra elas enfiarem uns trecos no imperativo, virando numa segunda parte ainda mais agitada e rebolativa, é muito bom. E o MV também é lindíssimo. Esteticamente deslumbrante, ainda que “simples”. Gosto de tudinho nele: dos takes com elas se jogando no batidão em figurinos brancos com o fundo preto, das partes pegando elas deitadas por cima enquanto uma canta, da mesa de jantar como se estivessem na santa ceia de Da Vinci, delas fazendo carão no começo com sombras projetadas atrás, dos momentos “ballroom” com elas mandando vogue old style em púlpitos, desfilando e etc. Boiola para um caralho, como deve ser.

Amanhã tem mais. Não me xinguem nos comentários. Flw vlw.

10 comentários em “TOP 100 | As melhores músicas do asian pop em 2020 [85-71]

  1. Gostando de ver o top esse ano pq dá pra demonstrar o quanto esse ano acabou com o lapso de tempo de forma que músicas lançadas esse ano pareciam ser do ano passado ou do retrasado.

    Enfim, surpresa do TxT ainda não ter dados as caras véi, significa que só vai ter duas (ou até mesmo uma) em top alto ou o lunei colocará todas a partir do próximo top? daqui a pouco saberemos k

    Curtir

  2. Eu estou realmente curioso para ver se o RV-IS dá as caras por aqui… Naughty eu acho que aparece sim, porque você rasgou uma seda tremenda um dia desses. Mas a incógnita é a (excelente e sapatônica) Monster…

    E em minha defesa, as meninas do Black Swan bateram na trave do TOPHOT. Especialmente a Leia.

    Curtir

  3. Eu não achei essa do CLC essas coisas, e olha que sempre dou chances pra as meninas. Sei lá, não tem muito um fator repetitivo.
    E Cool foi uma surpesa boa pra mim ano passado, as vezes a gente só quer um pancadão mesmo. Feliz que a galera dos blogs lembra, porque não vejo nenhuma alma divulgando isso em quanto nenhum_ mas divulgam coisa feia e dizendo que é bom_
    Gostei da lista, menos do boygroup aí, vai ter que ter mais ouvidas.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s