Raspa no tacho (18/02): debut do TRI.BE, merda de natal do aespa, CF da Soyou com o IZ*ONE e mais

Toda semana (ou quinzena, no caso desse post), uma porção de trecos saem e, por algum motivo, como falta de relevância para encher um post inteiro, ou falta de tempo deste que vos escreve, acabam não dando às caras aqui quando deveriam. Juntem isso tudo num lugar só e, plim, temos a raspa no tacho.

[ TRI.BE – DOOM DOOM TA ]

Não entendi o porquê de o Shinsadong Tiger se dar ao trabalho de produzir um grupo de outra gravadora que não a BANANA em vez de, sei lá, só começar o novo EXID e pronto, mas tá aí esse tal de TRI.BE, com mais um nome horrível para me confundir na hora de taggear os posts e por aí vai. Nas primeiras vezes que ouvi esse debut, achei legalzinho. Hoje, contudo, já estou achando ele muito cheio de ideias pra uma música só. Tomara que, pros próximos lançamentos, as meninas peguem composições mais inspiradas dele e consigam ser um grupo de qualidade mais alta, como o 4MINUTE, o T-ara e o próprio EXID, todos produzidos pelo trigroso, foram em seus tempos.

[ aespa – Forever ]

Puxa, uma balada natalina estéril lançada em fevereiro como primeiro comeback depois do debut terrível no ano passado era realmente o que o aespa precisava, não?

[ Momoland – Wrap Me In Plastic ]

Eu até entendo o Momoland apelando prum viral qualquer aí de sei lá quando para tentar chamar atenção, mas, no fim, é só uma música chata.

[ Soyou x IZ*ONE – ZERO:ATTITUDE (feat. pH-1) ]

Não tá ruim não. O instrumental está mais controlado que o geral dentro desses releases mais barulhentos, o que é legal, os vocais da TãoVocê e das minas do IZ*ONE (essa porra não vai disbandar nunca não?) estão bacanas, o refrão é forte e grudento na medida. Só achei a participação do rapper lá curta demais pra fazer diferença.

[ NCT 127 – Gimme Gimme ]

O mesmo número de oppas malvadões de sempre. Caguei.

[ Monsta X – Wanted ]

Um pouco melhor que a tranqueira do NCT acima, mas, ainda assim, não engaja o suficiente para ouvir mais que uma vez.

[ Kang Daniel – Paranoia ]

Esse Daniel era do Wanna One, né? Por onde andam os ex-Wanna Ones? Música chata pra caralho, deus me livre.

[ Yuki Kashiwagi – CAN YOU WALK WITH ME?? ]

A Yuki é alguém da era de ouro do AKB48 e isso é o máximo de informação que tenho sobre ela. Mas a música é ótima. É um típico rockzinho fofo que seria utilizado por algum anime colegial vibrante (talvez esteja sendo usada mesmo, ahein). Curti bastante.

[ Kalen Anzai – Kimi to Boku no Uta ]

Eu não me empolgo tanto com a Kalen Anzai quanto a maioria dos jotapopeiros médios da atualidade, além de implicar com o fato dela ter romanizado o nome dela como “Kalen” e não “Karen”. Contudo, essa baladinha fofa está on point, então não reclamarei tanto.

Bagulho ocidental da semana: Rita Ora – Bang Bang

Pra dar uma limpada nos ouvidos depois de tanta bosta, ouçam aí o treco novo da Rita Ora, que soltou um EP com um DJ qualquer recheado de números dançantes descompromissados e até meio deslocados no tempo, caso da “Bang Bang” acima, que sampleia a música do Crazy Frog, sucesso nos DVDs de camelôs aqui do Rio de Janeiro nos anos 2000. É uma bobagem divertidinha que não espera nenhuma elaboração mais complexa dos ouvintes, focando unicamente e coloca-los pra dançar. Nesse momento, acho que é o que mais precisamos.

9 comentários em “Raspa no tacho (18/02): debut do TRI.BE, merda de natal do aespa, CF da Soyou com o IZ*ONE e mais

  1. O Kang Daniel era do Wanna One, o center. Sobre os ex-Wanna, 2 no AB6IX, 2 no CIX da C9, outros ou são solistas de balada ou alguma canção sensual, ou atores

    Sobre a Banana Culture, até onde eu vi, foi a falência a parte coreana, a parte chinesa ainda está viva de acordo com o CEO

    Curtir

  2. NCT: this ain’t it, babe

    A única parte que gostei da música foi a bridge (vocal line competente porque, afinal, SM; e o rap do Yuta foi o ÚNICO rap que casou na música). Acho que gostaria bem mais da faixa se os raps do Mark e Taeyong não dominassem 90% de tudo e se o instrumental tivesse um pouco mais de… Variedade? Organicidade? Acho que os sintetizadores têm uma vibe meio “OST daquela adaptação cinematográfica Questionável™ de Resident Evil” (o que NÃO É algo ruim: Oscar, uma das melhores B-sides do SNSD, também tem a mesma vibe), mas falta algo para mim, sabe. Talvez uma guitarra ou um baixo brilhando em alguns momentos, uma mudança de ritmo, não sei, alguma coisa que fugisse do lugar comum. Não gosto de faixas que não deslancham e parece que ultimamente elas andam na moda.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe uma resposta para Guilherme S. Gonçalves Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s