PLAYLIST (Abril’21) 🍜

Mês esquisito esse, hein? A enorme maioria de girlgroups, nugus ou de alto escalão (estou xingando vocês, ITZY) cagaram no maiô com uma porrada de músicas tenebrosas. Em contrapartida, vários male acts mandaram muito bem, com bobagens pop divertidas para as pistas de dança não se levando tão a sério. Qual o sentido? Estou num universo paralelo? Que loucura!

Vamos para a atualização da playlist do blog, que já conta com 78 músicas e quase 5 horas de duração. De antemão, já aviso: uma porrada de oppas, músicas de animes e album tracks do novo hinário da Yukika…

01. WENDY – LIKE WATER: Enfim o Red Velvet teve o seu primeiro debut solo oficial (já haviam rolado músicas espaçadas em EPs, colaborações e Stations da vida), com a Wendy mostrando o porquê de ser a main vocal das cinco mamacitas do cramunhão. Comecei achando “Like Water” bem qualquer coisa dentro dessa seara de baladas orquestrais fofinhas, mas o tempo foi passando e, dia a dia, fui me deixando envolver por quão bonito é o pacote todo. É a “I” da Taeyeon do grupo tudo de novo. Que bom!

02. ENHYPEN – DRUNK-DAZED: Me ajudem, pois minha memória para boygroups é bem fraca: isso aqui é aquele grupo da Big Hit que foi formado num reality show, certo? Adorei que eles foram totalmente fora da curva do que os oppas fazem hoje em dia e apostaram num pancadão EDM em vez de trap e variações. Pra mim, que sou um viuvo da segunda geração do K-Pop, não poderia ser melhor.

03. YUKIKA – SECRET: Achei a recepção ao comeback da Yukika bem morna da parte de vocês. Qual o problema? Deixaram de ver alegria na vida? Eu curti tanto o mini que coloquei ele todinho na playlist. Risos. “Secret” é bem T-ara pós-Roly Poly, quando elas tentavam a todo custo reviver aquela magia disco meets japanese synthpop várias vezes ao ano. Uma graça.

04. TWICE – KURA KURA: Falando em delicinhas retrô japonesas, as Twice seguem mostrando que são as fodonas da Coreia e do Japão. “Kura Kura” é mais uma joia delas, resgatando um pouco daquilo de idol pop adocicado delas de anos atrás, mas com o refinamento mais amadurecido pós-Fancy. Ícones. Coitada da fã lá de Taylor Switf.

05. SUPERM – WE DO: Bem sintomático que a melhor música do megalomaníaco SuperM, até então, seja um CF que aposta desse funk assinatura de boygroups da SM em vez do try-hard que eles fazem em geral. Música gostosíssima de ouvir. E que bom pro Taemin que esse bom senso voltou também lá no SHINee…

06. SHINEE – ATLANTIS: Pau no cu do maluco que achou que o público do SHINee queria porcarias como “Don’t Call Me” emulando NCT. O que nós queremos é pancadões rebolativos como “Atlantis”, meio eletrônicos, meio funkeados, ideaiss para ir requebrando de ladinho até o chão enquanto lavamos aquela pilha de louça do dia anterior. O final lá com eles falando que é como se estivesse debaixo d’água… ooh, que jam!

07. (G)I-DLE – LAST DANCE: Mais outro lançamento para aquele aplicativo lá, o que só permite que metade o MV esteja presente no YouTube. Fuen. Mas, ó, quem diria que tirar a Soyeon da produção daria um frescor pro (G)I-DLE que eu nem sabia que queria? Isso tocando numa boate seria tão bom…

08. KYOKO – CHOSHINOTTE DANCE: Tenho a mais remota ideia de quem é essa tiazona, mas vi essa faixa indicada lá no blog do Dougie e estou viciado desde então. Como ele disse no post, é bem Kylie Minogue nesse último álbum dela.

09. AB6IX – CLOSE: Acho que é a primeira vez que gosto DE VERDADE de uma música desse grupo da ex-poc oxigenada do WannaOne. Tinha a impressão de que todas as faixas deles já tinham sido feitas melhores por outros acts. Na verdade, “Close” é bem GWSN, que é bem F(x) na era “4 Walls”, eu sei, eu sei. Mas o resultado é tão bom que é impossível não se deixar levar. E gostei também dos caras biscoitando no MV. Por mim, os girlgroups e boygroups adotavam o sexy concept como padrão daqui em diante. Chega de pudicos no K-Pop!

10. NU’EST – INSIDE OUT: É isso, gente. Os boygroups serviram tudo o que as minas não serviram esse mês. E arrisco dizer que “Inside Out” é a minha música favorita do NU’EST em todos os tempos. O refrão é uma delícia pegajosa, o instrumental é bem envolvente e refrescante. Um jam e tanto vindo de ainda outra cria da segunda temporada do Produce 101.

11. WHEE IN – WATER COLOR: As prévias de “Water Color” me prometiam um housezão mais intenso e distorcido, mas o que a Whee In entregou em seu comeback (ou tão considerando como debut?) foi algo mais voltado praquele new jack swing que gostavam de fazer na pré-história do K-Pop. Ficou bom também.

12. YUKIKA – TIME TRAVEL: Sério vocês não se deixaram mesmo encantar por esse pedaço de purpurina citypop? “Time Travel” estaria em casa numa daquelas playlists lofi do YouTube com velharias japonesas maravilhosas. O refrão é tão alegremente triste. Rainha.

13. G.E.M. – SUPERPOWER: Eu não sou o maior fã do repertório da G.E.M. em todos os tempos não, mas esse número disco cintilante está muito sapequinha aos ouvidos. O refrão com os barulhinhos alienígenas é daqueles que até soam engraçados numa primeira ouvida, mas cativam totalmente com a repetição.

14. ALI, AKLO – LOST IN PARADISE: Eu descobri que as faixas da primeira parte da OST de Jujutsu Kaisen foram lançadas quase na virada do ano, quando meu ranking já estava quase no final. Então, nada mais justo que considerá-las de 2021 e assimilá-las tardiamente na playlist, certo? “Lost In Paradise”, o encerramento, é MUITO divertido. É totalmente aquilo de bandas japonesas evocativas de vários elementos, como disco, ska, jazz e, claro, pop, pra nos entregar um número contagiante e catártico. Conselho do titio Lunei: parem agora o que estiverem fazendo e assistam essa ending (a capa da playlist vem dela)!

15. DREAMCATCHER – ECLIPSE: Teve comeback japonês do Dreamcatcher também. Não entendo como elas ainda não estouraram como um grande grupo idol que serve animesongs de grande alcance. Tomara que com essa OP de King’s Raid elas conquistem mais atenção do público otaku e façam de vez a vida no Japão. Já passou da hora.

16. SUMIRE UESAKA – EASY LOVE: Essa aqui é uma deliciaaaaaaarrrrggghhh!!!1!1!11 Ainda não comecei a assistir Don’t Toy with Me, Miss Nagatoro (está entre minhas escalações para review lá no outro site, então aguardem aí, otacos que também me acompanham lá), mas se o anime for tão divertido quando essa opening demonstra ser, já estou deitando para ele.

17. EVE РKAIKAI KITAN: Aquele mais acima era o tema de encerramento, esse aqui ̩ o tema de abertura da primeira metade de Jujutsu. E, nossa, NOSSA, ̩ animesong de shounen porradeiro in a nutshell isso aqui. Esse artistas japoneses conseguem transmitir ṭo bem o tipo de emo̤̣o que prodṳ̵es assim precisam passar de imediato.

18. DREAMCATCHER – DON’T LIGHT MY FIRE: METAAAAAAAAAAAAAAAAALLLL!!!! Essa album track aqui destruiu o Iron Maiden, o Metallica e todas as opções de headliners do Rock In Rio para os próximos anos. O piano macabro! ❤

19. LISA – ANOTHER GREAT DAY!!: Agora que Demon Slayer transformou a LiSA na nova fodona do J-Rock, que delícia ver ela se jogando ainda mais nessas sonoridades mais cafonas e trazendo essa “Another Great Day!!” à vida. É bem o tipo de treco que bandas lá do Japão fariam no finalzinho dos anos 90.

20. RIKU AZUNA – KEEP WEAVING YOUT SPIDER WAY: Vocês estão assistindo o anime da menina que morre e renasce como uma aranha num jogo de RPG? NÃO? Pois deviam. É um dos trecos mais divertidos da atualidade. Já tomem como parâmetro essa opening sombriamente contagiante abaixo, a qual estou viciado de tanto repetir os episódios.

21. KANG DANIEL – ANTIDOTE: O Daniel bem que poderia estrear o “A Vida Depois do Tombo” no lugar da Karol Conka, já que isso aqui caiu do #1 para quase no top 200 das paradas coreanas em questão de semanas. Btw, a música é ótima.

22. ONLYONEOF – LIBIDO: O Jaden conseguiu! O MV de “libidO” acabou gerando tanto burburinho (e me divertindo tanto com a cena super sutil do moleque pegando na piroca do outro só pelo lulz) que acabei começando a curtir a faixa (talvez de maneira irônica, mas ainda assim curti).

23. YUKIKA РLOVE MONTH: Mais uma da Yukika, mas um synthpop retr̫ com cara de propaganda de lava-jato japonesa dos anos 80. Quem ṇo gosta ṇo tem alma. -q

24. STAYC – ASAP: Mais uma faixa que eu tinha achado bem qualquer coisa quando ouvi pela primeira vez, mas acabei me encantando mais e mais com o passar do tempo. “ASAP” não reinventa a roda. É só um popzinho chiclete colorido que qualquer grupo lançaria uns seis ou sete anos atrás. Mas a graça é justamente essa, não?

25. DAY6 – YOU MAKE ME: Não consigo não ser levado por esse vocal que os caras do DAY6 colocam nas faixas deles. Mesmo produções mais dentro da caixinha (em relação ao K-Pop num geral, não ao repertório do grupo, que costuma ir prum lado mais orgânico, de instrumentos tocados e não sintetizados), o jeito que eles levam a letra é tão passional que, imediatamente, me desperta bons sentimentos.

26. HEO WON HYUK, GRAY E BIBI – MEU TEMPO: Pelo que me contaram, esse moleque aí, que tá participando de um reality qualquer de rap que eu nunca assisti, é brasileiro. O que justifica o título da música ser em português e ele e a Bibi misturarem algumas palavras daqui na letra. Confesso que não teria ouvido “Meu Tempo” se não fosse por isso, mas que bom que ouvi, porque é um desses “números de cafeteria” realmente ótimos. Podia ganhar um MV com referências estereotipadas daqui. Eu adoraria assistir a Bibi requebrando vestida de passista de escola de samba! :V

27. YUKIKA – PUNCH!: Mais outra pérola do mini da Yukika, vinda diretamente de algum anime espacial de trinta e tantos anos atrás sobre trezentos e tantos anos no futuro. Sério, por que vocês não enlouqueceram com esse EP como eu? Suas ridículas…

28. YU SERIZAWA – EVERYBODY! EVERYBODY!: Japão, gente. Só lá mesmo.

29. STAYC – LOVE FOOL: A melhor música do comeback do STAYC ficou escondidinha no mini. “Love Fool” é um desses exemplares pop sentimentais perfeitinhos. Tá tudo no lugar, caras! O instrumental é magia pura, as melodias dos versos e do refrão são como flechas no coração. Já fica aqui a antena em alerta para os próximos lançamentos delas, que torcerei para virem com b-sides e album tracks tão acima da média quanto essa.

30. YUKIKA – INSOMNIA: Encerrando essa lista ENORME (não tinha percebido que abril tinha rendido TANTO), o single desse comeback da Yukika. “Insomnia” não é melhor que “Soul Lady”, mas eu duvido que alguém lance algo tão bom quanto aquilo pelos próximos anos, então vida que segue. Enfim, é tudinho que eu sempre falo desses números inspirados no citypop, com o plus de ser feito pela maior e mais criativa desse nicho na atualidade.

Foi isso desse mês, galera! Quais foram as prediletas de vocês? As minhas foram “Insomnia”, “Love Fool”, “Don’t Light My Fire”, “Close” e “Inside Out”. Espero que, com o mulão de girlgroups de alto escalão aqui do blog que estão prometendo comeback, abril seja ainda mais legal!

Btw, paralelo a esse post eu estou fazendo aquilo lá de imitar o Dougie e listar meus 10 clipes prediletos do pop asiático. Deve sair ainda esse fim de semana!

Maio é o último mês desse terrível período atual da faculdade, então quando ele terminar, ou quando eu terminar os QUATRO trabalhos enormes que estão previstos pras próximas semanas, já devo voltar com a periodicidade normal do blog. Mas se bem que vocês me deram mais views nesse mês parado que em outros de maior atividade em 2021, então talvez eu fique na preguiça só pela sacanagem, hahaha.

8 comentários em “PLAYLIST (Abril’21) 🍜

  1. os álbuns do enhypen e do day6 estão mt bons tb.. sou suspeito pra falar isso ja q amo day6, mas, apesar de preferir o album q eles lançaram ano passado, o novo tá bem legal tb. healer e above the clouds são ótimas.

    Curtido por 1 pessoa

  2. NÃO CREIO QUE DEPOIS DE TANTO TEMPO PANFLETANDO LOST IN PARADISE AQUI NOS COMENTÁRIOS ELA SURGE NA PLAYLIST KKKKKKKKKKKKK. A OST de Jujutsu é uma das melhores do mundo dos animes, ponto final: essa primeira ED e a segunda OP >>>>>>>

    Eu tinha achado a mesma coisa do debut da Wendy a princípio, uma faixa que a Taeyeon podia ter lançado (se ela tivesse um dedo melhor para baladas, né, só gosto de I e Fine das baladonas do catálogo dela, o resto…), mas aos poucos fui gostando mais e mais. O instrumental orgânico é muito bom, o vocal é perfeito, o MV é lindo, a SM abriu o bolso e caprichou nos stages também. Ótimo debut da Wendy, apesar de eu não gostar muito do álbum (separadamente todas as tracks são boas, juntas acho que deixam o mini como mais do mesmo), e entendo perfeitamente a escolha de uma balada pelo estilo dela, e pela lesão também. Pancadão vai tardar a vir para o RV…

    Essa Riko Azuna é a mesma que fez a ED do anime de 2019 de Boogiepop wa Warawanai? Sou apaixonada pela vibe city pop vagamente sombria do instrumental dessa ED (e do anime também, pega meu top 5 fácil)

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s