Raspa no tacho (20/06): Capsule, Tokyo Revengers, Ayumi Hamasaki, Chanmina, Faky e uns capopes meia bomba aí

De tempos em tempos, uma porção de trecos saem e, por algum motivo, como falta de relevância para encher um post inteiro, ou falta de tempo deste que vos escreve, acabam não dando às caras aqui quando deveriam. Juntem isso tudo num lugar só e, plim, temos a raspa no tacho.

[ Capsule – Hikari no Disco ]

Pra vocês preguiçosos que não acompanham o J-Pop como deveriam, isso aqui é um ACONTECIMENTO! O Capsule é um duo do Yasutaka Nakata com a cantora Toshiko que fez bastante sucesso nos anos 2000 e meio que alavancou o passe dele como um produtor, de modo que ele promoveu outros acts, como o Perfume e a Kyary Pamyu Pamyu. O lance é que a dupla estava parada há anos, por sabe-se lá qual motivo. Mas o Nakata anda numa boa fase de composições, meio que revivendo a sonoridade robótica assinatura dele, que rendeu coisa boa pro Perfume ano passado, pra Kyary mais cedo nesse ano e, vejam só, tirou a Toshiko do porão pra essa ótima “Hikari no Disco”.

Eu achei bom pra um caralho, tenho ouvido essa joia todos os dias desde o lançamento e sinto como se minha vida ganhasse um fôlego maior toda vez que ela começa nos meus fones de ouvido. Já é um dos grandes destaques de 2021 e quem discordar é chato, bobo e feio!

10,0

[ Official Hige Dandism – Cry Baby ]

Eu estou assistindo esse anime chamado “Tokyo Revengers” pra resenhar lá pro outro site e as faixas escolhidas para a trilha sonora dele são uma delícia à parte. A opening é dessa banda aí que eu nunca tinha ouvido falar e me serve bem o pop/rock com elementos de ska que grupos japoneses fazem tão bem. O refrão é matador demais e “Cry Baby”, num todo, exala aquele sentimentalismo que OSTs de animações de ação devem ter.

8,5

[ Eill – Kokode Ikewo Shite ]

Já a ending é da Eill, que soltou a maravilhosa Fake Love no ano passado. A proposta de “Kokode Ikewo Shite” é basicamente a mesma de “Fake Love”, mas com uma levada mais teatral, como se essa fosse uma apresentação burlesca num bar da yakuza ou algo assim. Tomara que a projeção que ela está conseguindo por causa do anime contribua para que ela se torne uma nova diva do J-Pop ou algo assim.

9,0

[ Ayumi Hamasaki – 23rd Monster ]

Eu não tinha caído de amores por essa nova da Ayu quando ela foi lançada não. Foi algo que ouvi umas três ou quatro vezes e esqueci de colocar no celular. O vocal da Ayu me soou meio estranho num primeiro momento, nem parece ela cantando. Mas esse videoclipe tá tão legal (ajuda a avex parecer ter aberto a carteira, coisa que não rola há anos) que talvez dê uma nova vida pra música comigo. É esperar pra ver.

6,5

[ Genie High, Chanmina – Kyashana Rippu ]

A Chanmina segue investindo em parcerias fora de seu eixo mais comum e acertando muito nisso. Eu gostei do dueto natalino lá, gostei do feat. com a Taeyeon, meio que caguei pros rapzões e agora estou vivendo por essa maravilha aqui. O jeito como a voz bêbada dela faz um contraponto ao timbre mais adocicado da vocalista da banda eleva tudo prum outro patamar. E tem esse vídeo lindíssimo. Enfim, melhor música com a Chanmina em 2021 até então.

9,5

[ Faky – Take My Hand ]

Chatão. Parece música ruim de trilha sonora de filme da Disney que não teve muito investimento.

1,0

[ Wagamama Rakia – Joker ]

Achei meio maluco. O visual delas nos faz parecer que vai ser algo mais urban, aí a música é algo meio BABYMETAL. E eu… gostei?

6,5

[ Kato Miliyah, Yoshida Brothers – Kono Yume Ga Sameru Made ]

Hahahaha, legal que essa aqui começa parecendo uma música folclórica bonitinha e edificante, aí entram os versos com a tosca da Miliyah mandando uns papapum e tudo vira uma mistura maluca entre twerk e alguma trilha de shoujo dos anos 90. Por mim, nenhum problema!

Fun fact: a capa do single é isso aqui:

File:Kato Miliyah - Kono Yume ga Sameru Made CD.jpg

7,0

[ RiRi – Wheel of Fortune ]

RiRi, a icônica Ariana Grande do Japão, enfim está de volta com algo legal de ouvir. “Wheel of Fortune” é daqueles R&B/pops dançantes, com o tempo um pouco mais alto que o esperável, numa linha Kelela, Kehlani, Chloe and Halle e etc. bem gostosinha de acompanhar. Tem versão em inglês e em japonês, que só mudam mesmo o idioma e o clipe (embora os dois sejam bem ruins, mas dá pra ouvir com o olho fechado).

8,0

[ Tofubeats – Smile ]

Bobagenzinha legal e despretensiosa do Tofubeats.

6,0

[ Serri (Dalshabet) – MyMy Love ]

Parece Yukika, mas é a Serri, do Dalshabet, também se jogando num citypop. Eu tava achando que ela tinha desistido da carreira musical, mas as orações do Dougie foram atendidas pelo visto. Uma graça de música.

6,5

[ UP10TION – Spin Off ]

Pra encerrar, essa aqui do UP10TION, outros que eu achava que já tinham batido as botas. Não é ruim, mas também não é boa o suficiente pra desbancar outros boygroups na minha playlist.

2,0

BAGULHO OCIDENTAL DA VEZ: MARINA – ANCIENT DREAMS IN A MODERN LAND

Resolvi voltar com aquilo de indicar trecos do ocidente que saíram recentemente dentro das raspas no tacho. Dessa vez, vou com o álbum novo da Marina (sem The Diamonds), “Ancient Dreams In a Modern Land”. Ele segue essa nova onda pop/rock que uma porção de artistas estão apostando atualmente (e a própria Marina, mas com The Diamonds, tinha feito na época do espetacular “Froot”), entregando um compilado de delicinhas ligeiramente agressivas que combinam muito com o vocal esquisito da marina. É bem o tipo de pop que eu acho que funcionaria com uma galera mais “exigente” e apresenta um lado ainda mais maduro dela como artista, mas, claro, sem deixar de lado tudo o que de melhor ela trouxe nos três primeiros LPs: melodias envolventes, refrães pegajosos, letras matadoras e aquela sensação de “rebeldia de butique” que cola muito com a imagem dela.

Gosto muito da Marina como artista (Froot e Radioactive são duas das minhas músicas prediletas da vida) e é muito bom ver ela de volta aos trilhos como cantora e compositora. Ainda mais depois do péssimo “Love + Fear”, quarto álbum dela, pretensioso demais e chiclete de menos, que mais parecia um trabalho de conclusão do curso de psicologia dela que um CD de verdade. O “Ancient Dreams In a Modern Land” tem 10 faixas e pelo menos umas seis ali são excelentes: a title, “Venus Fly Trap”, “Purge the Poison”, “Man’s World”, “New America” e “I Love You Bit I Love Me More”. Ouçam sem medo.

3 comentários em “Raspa no tacho (20/06): Capsule, Tokyo Revengers, Ayumi Hamasaki, Chanmina, Faky e uns capopes meia bomba aí

  1. Seria “23rd Monster” o primeiro PV não cafona da Ayu? Achei ela bem estilosa no vídeo, sendo que normalmente a breguice dela sempre acaba aparecendo de alguma forma.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s