Uma album track de cada álbum do Red Velvet

Segunda-feira (16) tem comeback Red Velvet. Como esquenta, vamos relembrar algumas das melhores faixas do grupo, mas que não foram lançadas como title em suas respectivas eras. Como as cinco variantes delta de satã têm um repertório bem extenso e acima do padrão dentro do K-Pop, vou limitar essa lista a apenas uma de cada álbum delas. Talvez não sejam as maiores deles, mas certamente são canções que exemplificam o quão interessante elas podem ser quando bem produzidas.

Vamos lá, em ordem cronológica…

Somethin’ Kinda Crazy

O primeiro mini-álbum do grupo saiu em 2015, quando adicionaram a Yeri no line-up. Os dois singles são matadores, mas o resto da tracklist do “Ice Cream Cake” também faz bonito. A que mais gosto é “Somethin’ Kinda Crazy”, um R&B/pop suspirado bonitinho demais. Acho que aqui foi onde percebi que o Red Velvet, além de tudo, poderia ser um grupo VOCAL.

Time Slip

Eu adoro que essa aqui é, basicamente, a SM seguindo a linha daqueles raps de levada mais grave que todo mundo quis fazer quando a Iggy Azalea estourou com “Fancy”. O vocal harmonizado no refrão é puro luxo.

Light Me Up

O “The Velvet” é meio apagado mesmo dentro da fanbase, o que é uma pena, pois as faixas nele envelheceram como vinho pra mim. “Light Me Up” vende muito bem aquela imagem de gostosas do R&B noventistas que elas acabaram colocando como gancho principal do “lado velvet”.

Some Love

O “Russian Roulette” é o ponto mais baixo da discografia do grupo em questão de tracklist. A title é magia pura, mas o resto das faixas são bem qualquer coisa. A mais memorável a longo prazo, comigo, foi o dancehall solarzinho de “Some Love”, pois poderia ser um axezão que a Banda Eva lançaria por aqui nos anos noventa.

Body Talk

Uma das minhas prediletas do grupo. Se é pra fazer um baladão, que seja um baladão oitentista sensual que lembra alguma trilha sonora de filme de ficção-científica.

You Better Know

Ainda outra das minhas favoritas delas (2017 foi um ano e tanto pro grupo). “You Better Know” é um daqueles números dance que conseguem ser extremamente emotivos ao mesmo tempo que nos colocam para rebolar. Pra mim, a pista de dança é um lugar perfeito para se livrar de nossos demônios internos (e de demônios o Red Velvet entende). Em minha opinião, a faixa mais catártica delas.

Look

Essa aqui também é uma delícia. Eu adoro o instrumental extremamente oitentista, mas com uma levada disco setentista. O refrão é como se glitter explodisse na nossa cara. E ainda rola a bridge toda sapeca mais lá pro final nos convidando pra ainda outra rodada do refrão. Uma gema que todo girlgroup deveria sonhar em ter em seu repertório.

Kingdom Come

Vou dar uma roubada nessa aqui, porque não acho “All Right” e “Time To Love”, as duas inéditas fora a title do repackage do segundo LP delas lá essas coisas. Prefiro as da tracklist original. Outra boa pra caralho dele é “Kingdom Come”. É bizarro como os produtores conseguiram fazer uma faixa tão passional funcionar tendo como elemento principal do instrumental a bateria. Deviam ter guardado pra usar como single em vez de “Bad Boy”.

Aitai-Tai

Sinto que a própria fanbase meio que caga para os poucos releases delas no Japão. Mas não é pra menos, já que a própria SM nunca pareceu se importar muito em limpar a imagem delas por lá e construir um repertório sólido. Do quase nada de inéditas delas, “Aitai-Tai” vale muito a pena, sendo uma bobagenzinha descompromissada que diverte na medida.

Hit That Drum

Um grande farofão escondido dentro do “Summer Magic”. “Hit That Drum” parece algo do K-Pop do começo da década passada, mas focado em nos colocar para bater cabelo do que em pensar em qualquer coisa. Por mim, tudo ótimo!

Butterflies

Sabe que eu até hoje não entendo o hate parcial que elas receberam nessa era? Não só “RBB” é uma bagunça ótima, como o mini num todo faz muito por minhas playlists. “Butterflies” exprime bem a sensação de estar com borboletas no estômago através desse instrumental e interpretação radiantes. É incansável de tão catita. Ouço bastante.

Swiming Pool

Essa outra pérola do repertório nipônico delas surpreende pela levada mais rockista do instrumental retrô. É o tipo de treco que eu imagino tocando numa rádio nos anos 50 que deixaria alguma dona de casa norte-americana já em seu terceiro filho antes dos 30 bem feliz enquanto joga água nas plantas.

Sunny Side Up!

Ooh, o The ReVe Festival! ❤ Aqui o Red Velvet já estava bem consolidado, mais amadurecido e com permissão para apostar em materiais ainda mais safados. Aí elas vieram com essa “Why So Lonely” que deve ser a album track mais piranhuda do grupo.

Carpool

E isso continuou na segunda parte do álbum. Embora “Carpool” tenha uma pegada bem mais vibrante, a letra é pura libertinagem, com elas convidando o cara pra dar uns pegas no banco de trás do carro enquanto usam um monte de metáforas praianas e automotivas para ilustrar isso. Eu adoro como os vocais delas e o instrumental trás vão se intensificando da metade pro final da música.

In & Out

Pra encerrar, um enorme batidão sobre “botar e tirar” (entendam como quiserem) que usa uma metáforas de cozinha que até hoje me deixam ruborizado. É quase gráfico, Red Velvet, que orgulho!

5 comentários em “Uma album track de cada álbum do Red Velvet

  1. O legado da discografia do f(x) em boas mãos.
    Embora eu ache o mini russian roulette menos experimental eu adoro ele, até as mais mornas como My Dear (que me lembra uma música infantil dos anos 90/2000 ou algo do tipo) e Fool me satisfazem muito.

    Curtido por 2 pessoas

  2. Que nem a Viúva do f(x) disse: legado em boas mãos!
    Meu maior medo é esse, que Red Velvet morra e não consiga passar o legado, o aespa tem uma proposta completamente diferente.
    Embora f(x) e Red Velvet tenham sido muito comparados e muita gente dizendo que a SM estava matando um pra fazer o outro acontecer, ambos os grupos têm/tinham um line-up bem carismático e que conseguia carregar perfeitamente os conceitos, tudo feito sob medida.
    Dito isso, amei tuas escolhas. Time to Love e All Right envelheceram bem comigo, mas realmente, nenhuma delas é melhor do que as faixas já existentes no álbum.
    Red Velvet, rainhas aprendizes da Xuxa, estou ansiosíssima para este comeback!

    Curtido por 1 pessoa

  3. Eu não acredito que concordei com TODAS as suas escolhas de B-sides. Tô em choque.

    A única exceção é o Summer Magic, que Hit That Drum tá empatada com Blue Lemonade para mim.

    O RBB é o melhor álbum do RV, e quem discorda é clubista, fala sério, é um daqueles álbuns que não tem UMA faixa ruim ou enche linguiça, todas as B-sides não são somente sólidas, mas poderiam tranquilamente ter sido title tracks. É injustiçado demais.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s