Guia prático para se aventurar no J-Pop #01: as J-Divas! (parte 1 de 2)

Estar há tanto tempo acompanhando o pop asiático jpg me permitiu observar como o cenário de consumo da música vinda lá do outro lado do globo mudou com os últimos anos. Enquanto na década de 2000, que foi quando comecei a usar a internet e consumir trecos vindos de asiáticos, e no começo da de 2010, era bastante comum que o Japão fosse o “centro cultural”, com a galera, principalmente fãs de animes, iniciando suas aventuras por ali e, então, conhecessem o que rola na Coreia do Sul, China e etc. (parte do K-Pop ter bombado aqui no Brasil é culpa dos otakus, tinha até “sala de K-Pop” em eventinhos como Anime Friends e suas variações), hoje as coisas são… diferentes.

Muito pelo investimento dos coreanos, muito também pela falta de investimento dos japoneses, hoje o K-Pop é que é o momento. Arrisco a dizer até que, sempre que alguém fala de música asiática, o que vem à cabeça do ouvinte ou leitor, automaticamente, é o pop idol da Coreia do Sul. O que não é um problema de verdade, mas sinto que é uma pena o J-Pop não ter acompanhado isso em grandeza. Tanto que a diferença de views aqui no blog entre postagens de um e outro é IMENSA.

Como sou um velho chato que gosto de panfletar faves mesmo que ninguém se importe, e como sei que a maioria de vocês, leitores, são uns preguiçosos e não iriam buscar muitos desses nomes por conta própria, resolvi unir o útil ao agradável: a partir de hoje, iniciarei um guia prático (ênfase no prático) sobre como começar a se aventurar pelo J-Pop. Ele todo será dividido em diferentes categorias e compilará o grosso de artistas que eu mais acompanho e escrevo por aqui (geralmente em playlists, tops e raspas no tacho), indicando algumas faixas principais e dando uma bio do que vocês podem esperar deles.

A primeira categoria selecionada foi a de J-Divas!!1! O nome é autoexplicativo: são cantoras solo que focam suas carreiras no pop para as massas e segue à risca todo aquele arquétipo que mesmo nomes ocidentais nos entregam, dividindo-se em eras, onde vários singles se juntam num álbum, aí vem as turnês e o ciclo se repete ad infinitum. Só que a lista acabou ficando tão grande que resolvi dividi-la em duas partes, uma pra hoje, outra para… breve. -q

A grande maioria das que estão listadas aqui têm seus repertórios disponíveis em plataformas de streaming, como Spotify, Deezer, Apple Music e no youtubão das massas. É só ir atrás das que mais despertarem seus interesses. Sem mais delongas, em ordem alfabética, vamos lá…

Continuar lendo “Guia prático para se aventurar no J-Pop #01: as J-Divas! (parte 1 de 2)”

7 bops de outras vezes que um bando de mulheres se uniu no pop

E aí que a Lee Hyori, a Uhm Jung Hwa, a Hwasa e a Jessi resolveram se juntar para formar uma nova unit, as Refund Sisters. A história está melhor contada lá no Dougie, mas parece que tudo surgiu durante um segmento do “How Do You Play”, com a Hyori, ao ser questionada sobre como seria seu girlgroup perfeito, citando as três. O público gerou burburinho e a ideia foi tocada pra frente, com o quarteto sendo produzido pelo Yoo Jae Suk (também do SSAK3) e, eventualmente, ganhando um debut após a confirmação oficial semana passada.

Não sei se acredito de verdade nessa história não. Provavelmente, já havia essa intenção nos bastidores quando a Lee Hyori nomeou as três, mas quem sou eu para estragar a magia?

De qualquer forma, é sempre muito legal ver várias cantoras se juntando para trabalharem juntas em músicas. Enquanto é bem comum que vocalistas masculinos e rappers chamem “os parça” para features cheios de convidados, colaborações com mais que duas minas dentro da indústria pop são… raras. Inclusive entre artistas que vendem o feminismo como parte de sua persona.

Dito isso, e como um esquenta para a estreia do Refund Sisters, resolvi relembrar aqui 7 bops lançados quando um bando de mulheres se uniu no pop (asiático e ocidental). Give Me All Your Luvin’, da Madonna, ficou de fora, pois a Nicki e a M.I.A. quase não têm linhas nela. E Don’t Call Me Angel foi ignorada, pois fico meio constrangido com a participação da Lana Del Rey nesse videoclipe.

Continuar lendo “7 bops de outras vezes que um bando de mulheres se uniu no pop”

TOP 70 | As melhores músicas do asian pop em 2010 [10-01]

E enfim chegamos ao fim do terceiro top throwback do Miojo Pop, listando quais foram os 70 melhores lançamentos do asian pop durante o longínquo ano de 2010 (um oferecimento COVID-19). Muitas foram as ótimas músicas que passaram por aqui nos últimos dias, mas só 10 conseguiram atingir o ápice em tal ranking.

Sem mais enrolações, qual bop se juntará ao glorioso pancadão da Anda, What ou Waiting For, ao baladão ultraemotivo da BoA, Fly, e ao sex anthem Eclipse, da Kim Lip, no panteão de bests of aqui do blog? Confiram…

Continuar lendo “TOP 70 | As melhores músicas do asian pop em 2010 [10-01]”

TOP 70 | As melhores músicas do asian pop em 2010 [40-26]

Anteriormente, nesta bagaça: alguns de vocês permaneceram chocados com “What’s Wrong?”, do T-ara, sendo cortada em último lugar no ranking, mesmo com o cover de “If U Seek Amy” sendo um bopzão farofeiro bem melhor à longo prazo.

Para hoje, mais quinze hinos serão cortados, incluindo aquele que considero o melhor MandoPop de 2010 – que ninguém vai fingir ser surpresa por ser um single da Jolin…

Continuar lendo “TOP 70 | As melhores músicas do asian pop em 2010 [40-26]”

TOP 70 | As melhores músicas do asian pop em 2010 [55-41]

E lá vamos nós para mais uma rodada de icônicos bops lançado 10 anos atrás. Nessa parte, nos aventuramos com cinco trecos coreanos e DEZ bagulhos japoneses. Uma queridinha de vocês naquele post teaser que soltei pedindo sugestões tempos atrás rodará, comigo temendo pela minha vida e tal momento.

Sem enrolações, vamos nessa…

Continuar lendo “TOP 70 | As melhores músicas do asian pop em 2010 [55-41]”