Raspa no tacho (29/05): Oh My Girl, Everglow, Taemin, Rocket Punch e mais

De tempos em tempos, uma porção de trecos saem e, por algum motivo, como falta de relevância para encher um post inteiro, ou falta de tempo deste que vos escreve, acabam não dando às caras aqui quando deveriam. Juntem isso tudo num lugar só e, plim, temos a raspa no tacho.

Continuar lendo “Raspa no tacho (29/05): Oh My Girl, Everglow, Taemin, Rocket Punch e mais”

10 funkzões bem crocantes pro Bling Bling se inspirar daqui pra frente em sua promissora carreira no K-Funk

Recentemente, esse novo girlgroup chamado Bling Blig debutou com a G.G.B abaixo. Ouçam:

A música é bem divertida e usa bem as inspirações no funk aqui do Rio de Janeiro em seu instrumental. Pra mim, que sou bem familiarizado com o gênero (no RJ, nem se não quisesse a gente não ouviria funk), é bastante interessante ver essa base sendo utilizada num universo musical tão diametralmente oposto assim, não só em distância geográfica, mas de “cenário” mesmo (o K-Pop é MUITO polido, enquanto o funk daqui é meio despreocupado em agradar às massas). Me deu uma sensação meio Bucky Done Gun, mas em vez da interpretação “política do Hip Hop” que a M.I.A. colocou, senti algo mais “ultraprocessado”, “artificial”, como se fosse um lanche do Bob’s em forma de funk.

Ou seja: igual os funks feitos em São Paulo.

Hehe.

Piadas à parte, a música é bacaninha e a ideia é boa. Particularmente, eu melhoraria a maneira como as vozes das integrantes estão “costuradas” (eu não sei o termo correto, chamem a Carla) no instrumental. Algumas soam mais orgânicas, outras parece inseridas muito por cima. Principalmente a da loirinha que pegou a maioria das linhas. Ficou meio amador. Mas, como eu disse, a ideia é boa e, se seguirem nela daqui em diante (o que eu DUVIDO), podem se diferenciar dos demais grupos girlcrushes da atualidade.

Como incentivo, resolvi montar essa listinha com 10 exemplares de funkzões maravilhosos (alguns pelos motivos errados, já aviso) para que os produtores se inspirem pros próximos comebacks. Tem de bobageiras bem trash que tocavam na minha infância até trecos realmente ótimos que bem que poderiam ser exportados como “B-Pop” em vez das porcarias genéricas que a Anitta tenta emplacar. Arrumem o email da empresa do Bling Bling e mandem esse post, dizendo que foi escrito com carinho. :B

Continuar lendo “10 funkzões bem crocantes pro Bling Bling se inspirar daqui pra frente em sua promissora carreira no K-Funk”