TOP 100 | As melhores músicas do asian pop em 2015 [55-41]

E já estamos na quarta parte desse listão compilando quais foram os maiores, mais incríveis, mais icônicos e destemidos lançamentos do pop asiático no maior, mais incrível, mais icônico e destemido ano da última década para lançamentos do pop asiático. Top of the tops at all. Aqui, fechamos a primeira metade desse listão abrimos espaço para as cinquenta mais.

Será que suas morrerão na praia antes mesmo da corrida final? Será que elas sobreviverão ao hunger games do top 40? Ou será que, tal como “Lion Heart”, do Girls’ Generation, ou “Ring My Bell”, do Girl’s Day, elas sequer foram consideradas? Descubram isso agora…

Continuar lendo “TOP 100 | As melhores músicas do asian pop em 2015 [55-41]”

TOP 100 | As melhores músicas do asian pop em 2015 [70-56]

Terceira parte do grande listão rememorando o que de melhor saiu no melhor ano da última década para o pop asiático. Nessa, mais 15 grandes pancadões serão cortados para vocês reclamarem que as músicas lá do post de esquecidas no churrasco são melhores que as que eu escolhi (e eu rir bastante da cara de vocês chocados por isso).

Entre as escolhidas da vez, vamos com a icônica canção que acidentalmente (pffff) ocupa a posição #69 do ranking, além da melhor animesong de 2015 e da que ganha a versão coreana do Troféu CL de Melhor Música Ruim (pois a melhor música ruim japa tá beirando o top 10, risos). Ah, uma curiosidade: essa melhor pior música, na verdade, foi a que chutou o T-ara desse top, pois eu quase esqueço de incluir ela. Uhhhh, qual será?

Continuar lendo “TOP 100 | As melhores músicas do asian pop em 2015 [70-56]”

Time Machine: Koda Kumi, Fergie, “That Ain’t Cool” e o líquido amniótico (2008)

Parcerias internacionais entre um act oriental e um act ocidental não são exatamente comuns. Talvez pela distância geográfica, ou pela notável diferença de consumo que os mercados fonográficos têm em comparação ao resto do globo, ou mesmo pela falta de interesse de ambas as partes, vai saber. Só sei que, quando um encontro de dois nomes fortes desses pontos cardiais distintos ocorre, isso é algo a ser comentado.

Principalmente quando são cantoras do naipe de Koda KumiFergie nos anos 2000. Porque ninguém mexe com Koda Kumi e Fergie nos anos 2000 e sai ileso. Nem mesmo o desgraçado que traiu elas com outra no meio de um estacionamento. Oh no no no, babe, no no no no, you can’t do this with Koda Kumi and Fergie at de 2000s, sweety. Cuz…

That.

Ain’t.

Cool.

*BOOOOOOOOOOOOOOOOOOOM*

Continuar lendo “Time Machine: Koda Kumi, Fergie, “That Ain’t Cool” e o líquido amniótico (2008)”

Time Machine: Juicy, 4 Hot Wave, Black Cherry e o auge comercial da Koda Kumi (2006)

Dando continuidade à série de posts time machines aclamando a carreira da Koda Kumi em razão de seu aniversário de 20 anos desde o debut, é hora de falarmos sobre o seu grande auge comercial: a era “Black Cherry”, que teve como tema principal a icônica, deliciosa, maravilhosa, destruidora de almas, dona de cus e tombadeira Juicy

Continuar lendo “Time Machine: Juicy, 4 Hot Wave, Black Cherry e o auge comercial da Koda Kumi (2006)”

Time Machine: Koda Kumi, “Crazy 4 U” e o nascimento do ero-kakkoii (2004)

Ano passado, a Koda Kumi comemorou seus 20 anos de carreira dentro do J-Pop. Para isso, ele disponibilizou em seu canal de YouTube todos os videoclipes que ela soltou, inteiros e em qualidade alta, além de, ao finzinho de 2020, ter vindo com seu melhor lançamento em tempos, os EPs “Angel” e “Monster”, que angariaram algumas posições no último top 100 aqui do blog com suas faixas principais.

Inicialmente, eu havia imaginado um rankings com as minhas músicas preferidas dela lá por dezembro, mas as ocupações de fim de ano me fizeram adiar isso. Então, já que estou atrasado mesmo na pauta, decidi expandir minhas comemorações particulares dela e elaborar uma sequência de Time Machines, destacando não exatamente suas melhores canções em todos os tempos, mas pontuando quais, em minha opinião, foram as mais importantes em sua trajetória. Dividida em cinco partes, essa série começa agora com Crazy 4 U

Continuar lendo “Time Machine: Koda Kumi, “Crazy 4 U” e o nascimento do ero-kakkoii (2004)”