PLAYLIST: julho e agosto de 2022

Esses últimos dois meses foram bem agitados por aqui. Minha faculdade entrou num vórtice maluco onde os professores, talvez por esse ser o primeiro período presencial desde todo o ocorrido com a COVID-19, tacaram uma porrada de avaliações ao mesmo. Em paralelo, me mudei! Saí do município afastado em que eu morava e levava mais de duas horas diariamente para chegar à faculdade para viver numa (não riam) “república para rapazes” que fica pertinho da faculdade.

Divido a casa com dois marombas hilários que aleatoriamente começaram a se comportar como se fossem meus irmãos mais velhos (um deles literalmente me deu esporro anteontem porque eu estava acordado até tarde e tinha aula cedo no outro dia, fiquei abismado), um moleque que morava no mato e é bem baruhento quando está acompanhado (entendam como quiserem), um gringo que quase nunca aparece (um dos marombas acha que ele é um fantasma) e um outro bem mais velho que é chatão, mas todo mundo acha ele chatão então tanto faz.

Tá legal, embora, enquanto eu escrevo esse post, tenha acabado a água e já esteja mais de 30º no Rio de Janeiro. Vai ser um longo e odoroso dia.

Enfim, asian pop, né? Hehe. Por esse tanto de coisa que rolou em off, calhou de eu não ter conseguido atualizar devidamente esse blog ao longo das últimas semanas. E calhou também de, justamente, nesse meio tempo, praticamente todos os acts principais da atualidade terem feito comeback (ou debutado, caso do NewJeans). Devo ter deixado de ganhar milhares de views, risos.

Mas antes tarde do que mais tarde, é hora de atualizar a playlist aqui do blog e, enfim, dar meus pitacos sobre o que de melhor rolou . O que não entrou foi por eu não ter curtido. Blinks e sones, não me xinguem nos comentários. Ah, como já tem bastante tempo, vale ressaltar que a ordem da playlist é mais de acordo com o “mood” das músicas juntas e não da minha preferência – embora a primeira nela, de fato, seja a que mais curti e a que tem chances reais de pegar uma vaga no pódio desse ano…

Continuar lendo “PLAYLIST: julho e agosto de 2022”

PLAYLIST: janeiro e fevereiro de 2022

O ano está indo no K-Pop, J-Pop e adjacências. Eu, no entanto, permaneço de “férias” do blog por enquanto, acompanhando mais ou menos de longe os lançamentos. Já saiu bastante coisa boa que não comentei por aqui. Então, vamos aproveitar o feriadão de carnaval, o fato de hoje ser o último dia do mês e eu ter tirado disposição sei lá de onde nesse calor pra mexer na aparência do blog para soltar a primeira playlist de 2022, contendo trecos lançados em fevereiro, janeiro e umas raspas do tacho que rolaram bem no finalzinho de 2021.

O que entrou é o que eu tenho ouvido e gostado. O que não entrou é porque ou não ouvi ou ouvi e não gostei (tipo STAYC e Apink). Já sigam lá no Spotify e vamos aos pitacos faixa a faixa…

Continuar lendo “PLAYLIST: janeiro e fevereiro de 2022”

As músicas mais pau mole de 2021

Fim de ano em blogzinhos da blogosfera fundo de quintal é época de intermináveis listas compilando os mais sei o que lá de tal período de 12 meses. Vários colegas já começaram seus listões com o que de melhor rolou, eu mesmo pretendo começar o meu no natal, mas como um “esquenta”, quis trazer antes uma coletânea com o que de pior eu ouvi ao longo de 2021. Dessa vez, além de falar das bombas radioativas do asian pop, incluirei também algumas porcarias do pop ocidental.

Se lista de “melhores trecos” já são bastante subjetivas, as de “piores troços” então são de arrancar cabelos alheios, o que torna tudo ainda mais divertido. Abaixo, entraram aquelas faixas que ouvi e minhas opiniões variaram entre “huh, esse act lançando isso aqui?” ou “nossa, que vontade de arrancar meus tímpanos.” O que quer dizer que algumas delas nem são ruins ruins, só, ahn, fracas por x motivos ao serem executadas por y artistas, sendo um pecado por existirem da forma que existiram. As outras são só um cocô sonoro mesmo. Aah, e atenção pro “que ouvi” em vermelho ali atrás, pois não faz o menor sentido querer falar mal de bagulhos feitos por gente que sequer me importo com a existência (basicamente, 80% da corja de boygroups da atualidade).

Pormenores introdutórios introduzidos, vamos falar mal de BLACKPINK pra já atrair a atenção da garotada e bombar de views

Continuar lendo “As músicas mais pau mole de 2021”

Billlie tem o pior debut do ano com “RING X RING” (deveriam ter ido vender NFT também)

Com o final de 2021 se aproximando e o tempo de admissão pra categoria de rookie do ano no MAMA já passado, algumas empresas têm anunciado o debut de novos girlgroups para breve. Dentre os que estavam despertando mais hype na fanbase está o Billlie, da Mystic Story Entertainment.

Aqui, acho que vale uma explicação mais intensa para explicar o porquê do hype. A Mystic é a mesma gravadora do Brown Eyed Girls e já não trabalhava um girlgroup desde, bom, o Brown Eyed Girls. Em 2017, a empresa foi adquiria pela SM Entertainment, e já dessa época haviam especulações de que eles viriam com coisa nova.

Nesse meio tempo, a Mystic assinou com uma porção de trainees ligeiramente famosinhas, que eventualmente formariam esse novo grupo. Entre elas estão: Tsuki (ex-SM Entertainment e vencedora de um reality aí), Haram (também ex-trainee da SM), Suhyeon (ex-Produce 101, ex-MIXNINE, foi eliminada no último episódio, e atriz famosinha de doramas), Soomin (ex-Produce 101, ex-Kpop Star e 3ª colocada na ala feminina do MIXNINE, que acabou toda descartada pelo velho do YG que escolheu os meninos na final, e ex-futura-Weki Meki), a SuA (yup, aquela SuA ex-Future-2NE1 que deveria ter debutado no BLACKPINK mas aí foi chutada com as outras cinco, AQUELA SuA que levou uma surra da Yezy no Unpretty Rapstar) e a Takeuchi Miyu (ex-AKB48, ex-Produce 48).

Costurando essa linha do tempo, é bem provável que, para aproveitar DE VERDADE os burburinhos dessas minas todas, o Billlie deveria ter debutado, no máximo na mesma época que o IZ*ONE. Assim, essas participações todas ainda estariam mais ou menos frescas na cabeça do público. Mas deu tempo da MNET socar outro Produce, dessa vez masculino, passar por uma porção de escândalos e ainda fazer um OUTRO PROGRAMA, com o mesmo formato, mas com outro nome, para debutar um novo girlgroup pra breve. E nada do Billlie sair.

Nessa, rolou até da Miyu meter o pé da gravadora e ir tirar dinheiro de otário com NFTs.

Rolam várias teorias malucas de fãs na internet sobre o porquê desse grupo ter atrasado tanto (tem imagem promocional das garotas saindo desde o início do ano passado, pra vocês terem noção). Acho que a mais divertida de todas essas fanfics é a de que o SooMan tinha barrado o debut, pois quis gastar um tempo estudando o Loona para, eventualmente, trabalhar o aespa.

De qualquer forma, o Billlie enfim foi parido. Infelizmente, com a pior música de debut e o pior MV desse ano. Depois de trocentos parágrafos, finalmente confiram RING X RING:

Continuar lendo “Billlie tem o pior debut do ano com “RING X RING” (deveriam ter ido vender NFT também)”