Raspa no tacho (20/06): Capsule, Tokyo Revengers, Ayumi Hamasaki, Chanmina, Faky e uns capopes meia bomba aí

De tempos em tempos, uma porção de trecos saem e, por algum motivo, como falta de relevância para encher um post inteiro, ou falta de tempo deste que vos escreve, acabam não dando às caras aqui quando deveriam. Juntem isso tudo num lugar só e, plim, temos a raspa no tacho.

Continuar lendo “Raspa no tacho (20/06): Capsule, Tokyo Revengers, Ayumi Hamasaki, Chanmina, Faky e uns capopes meia bomba aí”

TOP 100 | As melhores músicas do asian pop em 2018 [70-56]

E aí, pessoal. Vamos para mais uma parte do listão com os maiores bops de dois anos atrás. Não sei vocês enquanto leem, mas conforme fui escrevendo aqui, percebi que 2018 ainda está bem vivo na minha cabeça. Mesmo essas faixas que aparecem bem baixo no ranking são super fortes em minhas audições casuais. Acho que ouvi mais elas que boa parte dos trecos que saíram em 2019, por exemplo.

Enfim, nessas próximas duas partes, que vão da posição #70 até a #41, um punhado de músicas que ouvi bem mais que as 30 antes cortadas à longo prazo, mas que não são tão imbatíveis em minha cabeça quanto as que aparecem da posição #40 pra cima. Será que a sua favorita será cortada dessa vez? Já adianto que as song of the year do falecido blog do Dougie e do Wendell Gosto Meu rodam agora…

Continuar lendo “TOP 100 | As melhores músicas do asian pop em 2018 [70-56]”

“GIRLS GOTTA LIVE”, Faky e outros acts para o capopeiro médio começar a gostar de J-Pop

Semana passada, o Faky lançou GIRLS GOTTA LIVE, sendo esse seu primeiro comeback “oficial” em nova formação (já tinha rolado uma OST para doraminha antes, mas elas sequer apareciam no clipe). Elas fazem parte da gravadora avex, começaram como 5 (o nome do grupo é uma abreviação de “Five Ass Kicking Youngsters”), aí 2 pularam do barco, adicionaram outra e se tornaram 4, então outra das gatas originais saiu fora e 2 pirralhas foram incluídas.

“GIRLS GOTTA LIVE” é ótima e meio que serve de porta de entrada visual para o quinteto como um todo, que sempre aposta nessa estética girlcrush fashionista de atitude forte, e para um dos lados musicais dele: o de faixas-litte-mix-fifth-harmony que mesclam retrô com afinações contemporâneas, recheando as produções de elementos unicamente pensados para gerar energia, como palmas, estalos e uma continuidade na bateria eletrônica. Com a boa interpretação vocal das integrantes e todos os outros elementos que compõem o pacote, não poderia gostar mais.

Há também um outro front sonoro que elas costumam apostar: o de bops eletrônicos noventistas para bater cabelo em boates esfumaçadas. Minha favorita em sua discografia, “Bad Things” segue essa linha (se não me engano, ficou em segundo lugar num top anual à época).

Embora seja estupidamente fracassado comercialmente por uma série de motivos (preferir apostar em tendências ocidentais em vez de modismos nipônicos, descaso das diferentes subdivisões/gravadoras que cuidam delas etc.), vejo o Faky como uma ótima “porta de entrada” pro público médio (e pra vocês, capopeiros de merda que acompanham isso aqui) ao J-Pop. Como disse, seus releases costumam apostar em estilos sonoros e visuais que se assemelham bem mais ao que acts costumam entregar desse lado do globo que no Japão. E se há pecado em originalidade nisso, por outro ponto de vista, elas não sofrem dos “problemas” que são facilmente identificáveis em atos nipônicos quando tirados de contexto (não dá para alguém não-otaku assistir um clipe do AKB48, por exemplo, e achar normal num primeiro momento).

Comparado com o K-Pop, que conseguiu se “internacionalizar” corretamente nos últimos anos aos ouvidos e olhos de não capopeiros, o J-Pop ainda é “específico” demais em seu mundinho, o que provavelmente afasta potenciais ouvintes. Não que o cenário musical japonês precise de atenção internacional, já que há uma autossuficiência louvável ali, mas é sempre bom ter mais pessoas para conversar sobre esses tipos de lançamentos. Dito isso, resolvi preparar uma listinha curta com alguns nomes recentes que, particularmente, acho que, tal como o Faky, têm o potencial de inserir novos consumidores nesse buraco negro chamado J-Pop. Tem tudo no Spotify. Sem mais delongas, vamos a ela.

Continuar lendo ““GIRLS GOTTA LIVE”, Faky e outros acts para o capopeiro médio começar a gostar de J-Pop”

PLAYLIST | Asian Pop 2019: Update de junho

Junho já está para morrer, o que significa que é hora de atualizar a playlist aqui do blog com os melhores bagulhos do asian pop nesse ano de 2019. Saiu muita coisa legal nas últimas semanas, tanto no K-Pop, quanto no J-Pop. No entanto, vários bops do lado japa da equação, como singles novos do Momusu, MAX e Angerme acabaram não entrando no Spotify, logo, não baterão ponto aqui. Chato, mas normal pros padrões nipônicos. Não é a toa que o K-Pop se tornou essa febre mundial e eles não.

Enfim, sem mais delongas, confiram a lista abaixo, seguida dos meus breves comentários faixa a faixa…

Continuar lendo “PLAYLIST | Asian Pop 2019: Update de junho”

RIRI segue sua jornada como Ariana Grande japonesa na ótima “Summertime”

You guys know, tem essa gatinha japonesa de vocal forte, a RIRI, que começou como uma aposta da AI (lembram da AI, né?) quando era bem novinha, aí assinou com uma gravadora grande ano passado e soltou a gostosíssima That’s My Baby, então todos começamos a chamá-la de Ariana Grande japonesa, visto as influências de início de carreira e a história de “menina prodígio com voz de Mariah Carey” serem bem semelhantes às da eterna pirralha americana.

Pois bem, ela resolveu dar ainda mais um passo nisso em seu novo lançamento, Summertime: COLOCAR UM RABO DE CAVALO!!!

Continuar lendo “RIRI segue sua jornada como Ariana Grande japonesa na ótima “Summertime””